segunda-feira, 17 de junho de 2013

Valei-nos Mané Garrincha

Coluna Notícias do Dia - 16/06/2013


Luiz Mendes/Arte ND
Nesta overdose de noticiário sobre a Copa das Confederações extraí uma manifestação do Pelé sobre a participação brasileira. Na palavra do Rei o time do Felipão vai precisar de muita cautela e paciência da torcida na estreia contra o Japão.
Concordo com o item um. Os japoneses há muito não fazem da ingenuidade uma das suas características. Isso ficou para trás faz tempo. Treze jogadores do grupo atual estão espalhados pela Europa, além do treinador ser o italiano Alberto Zaccheroni. Então, cuidado com esse time, que de japonês tem muito pouco, talvez só os olhos puxados e o hábito de comer com pauzinhos.
Se Zaccheroni não estiver fazendo gênero ao dizer que gostou de no sorteio ter caído no “grupo da morte”, com Brasil, Itália e México, o Japão pode mesmo surpreender e virar uma pedra no sapato dos considerados favoritos e papões de títulos. Quem sabe ficam a frente dos mexicanos, um pouco desacreditados pela campanha ruim nas eliminatórias.
Sabemos do potencial dos italianos e aquele empatezinho de 2 a 2 com o Haiti no amistoso desta semana não quer dizer bulhufas. O time titular tem a base formada por jogadores da Juventus e do Milan, e só um da Roma. Apesar da direção inexperiente de Cesare Prandelli, olho vivo com a entrosada Squadra Azzurra.
No mais, ouso discordar do Pelé no pedido de paciência à torcida. Sou a favor da paz dentro e fora dos estádios, mas tenho verdadeira ojeriza por qualquer tipo de controle sobre manifestações vindas das arquibancadas. A vaia é legítima, desde que desacompanhada de ações violentas ou do barulho das vuvuzelas, aquelas insuportáveis cornetas sul-africanas. A seleção brasileira, apesar de estar em casa, ou até por isso mesmo, não estará livre da contrariedade de uma torcida que legitimamente olha com desconfiança o time que vai entrar em campo em Brasília. Cruzemos os dedos para que o espírito do Mané Garrincha acompanhe e ilumine a estreia de Felipão, Neymar & cia.

Nenhum comentário: