terça-feira, 18 de outubro de 2011

O Segundo Tempo, lá, aqui, acolá

O jornal Zero Hora, versão gaúcha do Diário Catarinense, publica hoje matéria assinada por Vivian Eichler sobre suspeitas de desvio de verbas na execução do programa Segundo Tempo no Rio Grande do Sul, em convênio mantido com a Fundergs, Fundação do Esporte e Lazer. É o mesmo programa que virou um fantasma a assombrar o Ministro do Esporte Orlando Silva Jr. A Fundergs corresponde à nossa Fundação Catarinense de Desportos, a Fesporte.

Lá são 67 convênios firmados entre o Ministério do Esporte e a fundação gaúcha, sob sindicância do governo do estado e que já apontou irregularidades nos repasses de recursos para o programa em questão.

Diz a matéria que o Segundo Tempo seria a maior parceria do estado “para ajudar a afastar das drogas cerca de 16 mil crianças e adolescentes, mas acabou em frustração para boa parte dos 29 municípios envolvidos”. O texto enfatiza que “menos da metade do número de beneficiados previsto participou, de fato, de oficinas esportivas no turno inverso da escola”. A matéria não faz menção, mas além das oficinas, o programa contempla ainda o reforço escolar.

Por aqui a situação é parecida. A diferença é que nas primeiras ações do Segundo Tempo em Santa Catarina, o convênio com o Ministério do Esporte foi firmado com a Fesporte.Em 2006, nos últimos dias da gestão do comunista João Ghizoni o Segundo Tempo foi transferido para uma ONG conhecida como Instituto Contato, administrada por seus ex-assessores na Fesporte.

Do jeito que a coisa vai, e se as investigações forem levadas a sério, as suspeitas podem respingar no convênio catarinense. O texto no portal do Instituto Contato não fala em quantidade de núcleos do Segundo Tempo, para crianças de 6 a 17 anos,mas garante:” é um instrumento de inclusão social para seu público alvo, afastando-os de situações de vulnerabilidade social".

Segundo a Ong Contato, "os núcleos, onde se realizam as ações do programa contam com professores e estagiários, material esportivo e didático.Cada núcleo atende 120 alunos, divididos em turmas matutinas e vespertinas, participando de 4 horas de atividades, 3 vezes por semana, incluindo lanche entre os intervalos das atividades”.

Há pouco tempo o jornal Folha de São Paulo ocupou-se com o assunto em reportagem de amplitude nacional e revelou irregularidades em Santa Catarina. Na época, superficialmente, a matéria referiu-se à alimentação que era servida como lanche às crianças com prazo de validade vencido, e pagamento por serviços não prestados.

A mídia do estado, por razões que nossa vã filosofia não alcança, nunca tocou no problema. Mas, para o bem ou para o mal, o convênio entre o Ministério do Esporte e o Instituto Contato precisa de uma boa investigação, até porque envolvia parcerias com Eletrosul e o extinto Besc. Em alguns estados brasileiros um olhar mais atento, além de ter colocado em maus lençóis o Ministro do Esporte, revelou também o envolvimento de ex-atletas, como relatou matéria do "Fantástico" no último domingo.

Nenhum comentário: