sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Guga protestou. E daí?

Vamos a la playa, ô, ô, ô, ô, ô

Vivemos numa cidade administrada por gente que ri da comunidade e não dá a mínima para as leis, sob o manto protetor de poderes que poderiam e deveriam botar na cadeia esse tipo de gestor público. Assistimos impotentes a célere escalada da corrupção, da violência, da roubalheira e da impunidade.
Temos um prefeito com sorriso de inaugurar dentadura e que vive comemorando a impunidade em tudo o que faz, apesar das irregularidades flagrantes na suas consecutivas reeleições. O voto já não diz mais nada, apenas tem sido utilizado para eleger corruptos acobertados por uma convivência promíscua dos poderes que deveriam zelar pelo bem da comunidade. O povo perdeu a noção de justiça e se deixa levar pelo espetáculo enganoso das festivas solenidades de ocasião.

Nosso prefeito adota um discurso cínico, movido por ações parecidas com as do Odorico Paraguassu, personagem eternizado na memória do brasileiro pela Rede Globo. Com uma diferença nada sutil, mas que não tem servido para deixar os eleitores de olhos bem abertos e a imprensa mais atenta e interessada no dia a dia de Florianópolis. Enquanto o da tevê buscava freneticamente um cadáver para inaugurar o primeiro cemitério da sua cidade, nosso alcaide e sua incompetente assessoria se dedicam a inaugurar viadutos ineficientes e outras obras de ostentação, beneficiados pela cegueira que acomete os cidadãos desta urbe, mais atoleimados a cada nova eleição.

Planejamento nem pensar. Prá que? Não rende voto – maior contradição nesse país democrático - olhar para o interesse público, evitar que Florianópolis se transforme num amontoado de gente com qualidade de vida abaixo de zero. Estamos próximos do caos e a turma só quer encher a burra sempre visando as urnas, o maior cofre a alimentar a riqueza dos oportunistas, Midas ao avesso, inimigos do bem comum, amigos inseparáveis do próprio bolso.

Guga falou tarde demais e seu protesto, apesar de procedente, foi muito tímido diante da grandeza dos problemas enfrentados por Florianópolis que até pouco tempo atrás ousou ostentar indevidamente um slogan que na verdade nunca lhe coube, a capital turística do Mercosul.

Quem inventou essa balela, transformada em cantilena de políticos e administradores inescrupulosos, na verdade nunca atravessou a ponte para conhecer o que existe fora dos limites da Capital. Ou – como acontece até hoje - preferiu botar a culpa nos gaúchos pela desdita criada por falta de planejamento e corrupção.

Nenhum comentário: