segunda-feira, 1 de julho de 2013

Olé a brasileira


A transmissão não era de uma plaza de toros, os gritos de olé não tinham sotaque espanhol. Inacreditável, o espetáculo era no Maracanã, e terminaria com uma grande vitória por 3 a 0 do Brasil sobre a Espanha, campeã do mundo, bicampeã europeia e invicta há 29 jogos. 

A soberba fez muito mal aos espanhóis, a humildade a raça e a técnica, ajudaram na superação brasileira . A decisão da Copa das Confederações, até o pontapé inicial, apontava para um jogo equilibrado porque o Brasil estava em casa, mas falava-se em favoritismo espanhol, cujo time trazia para o gramado a grife de melhor do mundo. 

A surpresa foi geral, das arquibancadas ao banco da Espanha, onde o atônito Vicente Del Bosque assistiu impotente a uma quase goleada. Ela só não aconteceu por alguns momentos de preciosismo e excesso de confiança dos atacantes brasileiros. O gol de Fred, a dois minutos, e o de Neymar no fim do primeiro, tempo deram o tom do jogo. Fred, no comecinho do segundo tempo fez o terceiro para deixar os adversários em pânico. Nem o pênalti bobo cometido por Marcelo conseguiu reanimar a Espanha, aquela altura desenganada. Sérgio Ramos se encarregou de manter intacto o desfecho fúnebre ao desperdiçar a cobrança chutando para fora. A Espanha morreu ali.

Méritos para Felipão, o homem da estocada decisiva. Não sei se valeu para ele a dica da Itália, derrotada nos pênaltis depois de mostrar como enfrentar um adversário poderoso e até então considerado imbatível. O fato é que o Brasil não deixou espaço para o toque de bola espanhol e mostrou um invejável espírito de equipe. Até  o Hulk, a sua moda, deu conta do recado. A zaga andpu perto da perfeição. Neymar jogou bem, comprovou o quanto vale, mas, o melhor de tudo, é que a seleção mostrou não ser dependente do seu desempenho. Houve um equilíbrio saudável entre zaga, meio de campo e ataque , com envolvimento de todos os jogadores.  Foi a maior qualidade do time do Felipão nesta final. Para surpresa dos espanhóis e da própria torcida brasileira.

Nenhum comentário: