terça-feira, 1 de março de 2011

A culpa é sempre dos outros


O que estava escondido nos bastidores veio à tona domingo com a derrota do Figueirense para o Criciúma. O técnico Márcio Goiano insinuou em declarações pós-jogo que alguns de seus pleitos envolvendo contratações não foram atendidos pela diretoria. O que era uma verdade.Bastava olhar para o banco de reservas. O treinador não tinha alternativas para a necessária virada de jogo.

O presidente do clube, Nestor Lodetti, não gostou das insinuações e segunda-feira à noite vieram a réplica e a grande surpresa com a demissão de Márcio Goiano, que vai fazer companhia a Adilson Batista, dispensado pelo Santos domingo. Sem açodamento, mas com dificuldades,Goiano formou um bom time, trouxe o Figueirense de volta à serie A do Brasileiro e foi à decisão do turno do Catarinense.Mas, em uma só partida ele acabou perdendo demais, desperdiçando a chance de garantir vagas na final do Estadual e na Copa do Brasil do ano que vem.

A torcida não cobrou por essa derrota, apesar do tamanho do estrago. Pelo contrário e, fato inédito, mostrou solidariedade ao Márcio protestando contra o ato dos dirigentes. Enfim, o Figueirense não foi nada original, transformando Márcio Goiano no mordomo do caso, ou seja, o único culpado pelo fracasso de domingo, ignorando que o grupo era frágil e subestimara um bom adversário, responsável pelas duas únicas derrotas do time no turno, a última delas fatal.

Seguindo o ritual macabro do futebol brasileiro de cortar cabeças, a meta agora é encontrar um treinador que faça mais que o demitido. Sem agregar qualidade ao elenco não vejo como o futuro técnico possa alcançar o sucesso desejado por dirigentes e torcedores. De bom mesmo é que a vitória do Criciúma deu novas cores ao returno acirrando rivalidades, especialmente a da Capital, na busca da segunda vaga na Copa do Brasil e na final do nosso campeonato.


ATUALIZANDO - Com o fim da era Márcio Goiano começa a era Dunga, desculpem, Jorginho. Márcio é tucano novo, recém ultrapassou as quatro linhas para ocupar a posição de treinador à beira do gramado. Jorginho tem fronteiras ampliadas, jogou em grandes clubes no Brasil e pelo mundo. Também passou pela seleção brasileira como jogador e como auxiliar do Dunga.A conferir o que o Figueirense vai lucrar com essa troca que não agradou à torcida.

Nenhum comentário: