sexta-feira, 28 de junho de 2013

O Troféu Limão vai para...

Coluna Notícias do Dia 28/06/2013


Luiz Mendes/Arte ND
Felipão chutou o balde, de novo, na entrevista após a vitória sobre o Uruguai. Respondeu sempre com aquele sorrisinho irônico, junto com um recado para alguém da imprensa. Já confessou que vive monitorado pelo assessor de imprensa da CBF, Ronaldo Paiva, por Parreira e pelo Groucho Marx Murtosa. Não adianta. Nem a classificação para a final da Copa das Confederações sossegou o treinador brasileiro.

Felipão acusa de jogar contra a seleção quem discorda ou critica. Depois de mostrar uma pequena estatística com números favoráveis ao seu time fez as reclamações de sempre. Mesmo sem citar nomes a mensagem foi clara, todo mundo entendeu. A bronca era com a ESPN Brasil.
Turrão, azedo e rotineiramente mal humorado – a não ser quando toma chimarrão com jornalistas gaúchos, o único amargo que suporta – Felipão segue cheio de lamúrias e confundindo as funções, as dele e as dos repórteres e comentaristas. Não somos seus assessores nem da entidade que paga seus polpudos salários e dos companheiros da comissão técnica, muito menos de jogadores regiamente remunerados.

É um comportamento ditatorial e, acima de tudo, antipático, talvez inspirado na célebre expressão do jornalista, escritor e dramaturgo Nelson Rodrigues, “A pátria de chuteiras”. O que Felipão não sabe é que Nelson, ao se expressar assim, ironizava os ditadores de plantão que usavam o futebol para mascarar uma situação de horror vivida pela população nas décadas de 60 e 70. Garrastazu Médici e seu radinho de pilha colado ao ouvido compunham a imagem perfeita da época.
A tal família Scolari e o esporte amado pelos brasileiros não precisam disso. Os torcedores podem cantar o hino, incentivar a seleção, colorir de amarelo as arquibancadas. Nada mais além. E os jornalistas são pagos para perguntar, o Felipão para responder. O elogio é consequência do trabalho bem feito, como, ao contrário, a crítica. Simples assim. Aos que pensam e agem diferente concedemos o Troféu Limão.

Nenhum comentário: