quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Quinta-feira

Golpe 1

Esqueçam tudo o que se fala hoje sobre a organização do futebol brasileiro a partir da criação do Estatuto do Torcedor, com o cumprimento de regulamentos e manutenção de fórmulas para as competições sob tutela da CBF. Digo isso porque nos bastidores a Rede Globo prepara um golpe contra os campeonatos por pontos corridos que, apesar de algumas estripulias, parece que caíram no gosto do torcedor e da mídia esportiva. A intenção ficou muito clara nas manifestações de Marcelo Gomes Pinto, diretor da Globo, em programa de debates na Sportv, quando disse ser muito mais interessante financeiramente uma competição em cujas fases finais os jogos sejam sempre decisivos. Ou seja, a emissora que paga para transmitir o Campeonato Brasileiro, quer de volta o sistema do mata-mata sob o argumento de que a média de ocupação dos estádios é bem mais alta e o interesse pelas partidas é redobrado. Como manda quem pode, obedece quem precisa, é possível que nos próximos dois anos tenhamos os últimos campeonatos brasileiros por pontos corridos.

Golpe 2

Dirigentes do São Paulo e Atlético Paranaense, presentes ao programa, não gostaram nem um pouco do que ouviram. Entretanto, como bilheteria não está hoje entre o maior volume de recursos com que contam os clubes, mas sim os contratos de televisão e patrocínios, é provável que a Rede Globo faça prevalecer seu ponto de vista. Até porque o Clube dos 13, até hoje responsável pelas negociações com Marcelo Pinto, está muito rachado por causa dos critérios para divisão de cotas. A não ser que a Record, atualmente a única a ameaçar o Ibope da Globo, resolva entrar para valer nessa bola dividida, como vem tentando há dois anos.

Gandaia profissional

A velha discussão sobre o que pode e o que não pode um jogador profissional fazer no seu período de folga voltou com força por causa da exposição de Adriano e Ronaldo Nazário. Os dois estão no Brasil em situação semelhante, tratando de lesões que os tiraram dos gramados nos últimos meses de 2007, e foram flagrados em festas e shows bebendo cerveja, dias depois de terem prometido dedicação extrema para começarem 2008 em boa forma. O caso mais sério é o de Adriano, aposta do São Paulo para a Libertadores. O jogador perdeu o lugar no Milan justamente por causa da bebida resultado, segundo o próprio, de problemas pessoais vividos desde o falecimento do pai. A diretoria do São Paulo minimizou o assunto, mas as exigências da Libertadores não perdoarão a negligência e falta de profissionalismo de Adriano.

Primeiro e único

O arquiteto Oscar Niemeyer, um século de existência, pode ser o autor do projeto do estádio que substituirá a Fonte Nova. Jaques Wagner, governador da Bahia, vai oficializar o convite logo após as festas de fim de ano. A idéia é, para ficar na moda, construir uma arena multiuso, com lojas, casa de espetáculo e, claro, um estádio de futebol. O principal argumento do governador baiano na tentativa de convencer Niemeyer é a inexistência de um projeto seu na Bahia.

Caipiras

Outro dia um repórter de uma emissora de rádio paulista arrotou uma frase absolutamente imbecil ao dizer que agora o Brasil vai conhecer o técnico Mano Menezes, pois no Corinthians “ele botará a cabeça pra fora do Sul”. Como grande parte dos jornalistas paulistas e cariocas costuma olhar apenas para seus próprios umbigos, não é de se estranhar que ignorem o mapa do Brasil e o futebol que se joga do Paraná para baixo. Temos times campeões de Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro, Libertadores, Mundiais, Recopa Sul-Americana e outros. Sem esquecer as conquistas em competições das divisões de base, de onde saíram inúmeros jogadores para o futebol do mundo inteiro. Acrescentemos ainda a revelação de grandes treinadores campeões por seleções brasileiras e clubes de todo o país, incluindo Rio e São Paulo.

Sem teto

Com a devida tolerância da Federação, o Metropolitano jogará o campeonato estadual em Brusque e o Guarani de Palhoça na Ressacada. O Tubarão continua sem casa para mandar seus jogos.

Um comentário:

PJ disse...

A Globo fez o mesmo com a Superliga de Vôlei. Pressionou para hacer 4 torneios com o argumento de haver uma final por mês com tevê em rede aberta. Falácia! Já na primeira final (?), apenas a Sportv, que já passar a Superliga, vai transmitir os jogos.